quinta-feira, 3 de março de 2011

A esperança equilibrista

A esperança dança na corda bamba de sombrinha ♪

Meu nome é esperança, moro no bairro da autoestima, sou apaixonada pela vida, e vivo na corda bamba. Apresento-me todos os dias ao alvorecer, cravando um luta contra o gigante do medo, a meticulosa solidão, a invasora insegurança e a visitante inesperada chamada indiferença alheia...

Bom, a proposta é o seguinte meus adoráveis leitores; minha criatividade foi passear e não voltou ainda, ontem a tarde eu escrevi o parágrafo acima, e decidi que quero que todos vocês escrevam comigo. Pode ser uma frase, uma idéia, uma palavra, fica a critério de vocês. Seria um presente para mim.

4 comentários:

  1. Vivo no caminho das incertezas, me perdendo nas entre linhas. Posso errar e posso acertar, mas procuro sempre seguir em frente sem medo daquilo que possa me atingir.

    ResponderExcluir
  2. Estou presente em todo o mundo. Em cada sonho, pesadelo, livro, continente... Em cada vida.
    Muitos me condenam, dizem que sou a última a morrer, mas sou mesmo? Muitos dizem que sou uma coisa boa, "enquanto há esperança, há vida", mas isso é verdade?
    Não é triste quando você não consegue mais perseverar - não tem nem mais forças - e eu continuo lá, ao seu lado, lhe fazendo companhia - talvez a única sempre presente?
    Mas não sou só tristezas, pois esse não é o meu nome. Também sou aquilo que lhe faz viver, continuar, esperar por um dia melhor.


    Acho que deve ter saído diferente do que você esperava, mas enfim.

    ResponderExcluir
  3. "Não é fé se você se você usar seus olhos"


    É um trecho da música Miracle do Paramore, me ajuda muito quando estou sem criatividade e tudo mais. :3 Espero que ajude, he.

    ResponderExcluir
  4. E vou
    Sentindo não
    Pouca
    Enfase,
    Rio desse
    Amor que
    Não dá
    Cambalhota mas
    A mim completa.

    ResponderExcluir