quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

Em busca de mim

Debaixo da árvore ela podia observar os feixes de luz que aquele sol escaldante provocava no resto da paisagem. No colo; um caderno, lápis, borracha e um livro. Os olhos atentos a folha percorriam de um lado para o outro a fim de tentar melhorar os três parágrafos que ela havia escrito.
Logo a frente encontrava-se um grupo de crianças com balões, desses que são vendidos nos parques. Enfeitiçada por aquela cena, arrancou a folha com aquele monte de palavras insuficientes e começou a escrever uma carta:

Querida Lana,

Eu só tenho conseguido escrever coisas "razoáveis" a noite. Essa carta é a única exceção. Talvez a culpada seja essa insolente da carência noturna que tem visitado-me a quatro meses. Eu sabia lidar com isso, você lembra. Lia um livro, ia para outro lugar, me tornava outra pessoa, dona de outra vida. Via comédias água com açúcar que você tanto gosta. Você era uma boba, chorava fácil, fácil... Mas de uns tempos para cá nada me satisfaz. Esse excesso de lucidez tem sufocado. É um grito interno, desassossego.
Ontem a noite parei para olhar as estrelas como você gostava de fazer. Não senti N-A-D-A. Como pode?
Está tudo tão vazio, volta pra mim menina. Perdeu-se na estrada dos 17 anos, foi? Perdeu-se de mim, perdeu-se de si.
Você criou vários dragões, alimentou-os com um punhado de ilusões disfarçadas de realidade. Um dia desses subiu em um deles e voôu por aí.
Eu, a parte rabugenta, mal-humorada e pessimista precisa de você; a parte alegre e sonhadora. Todo mundo tem esses dois "polos", quem é legal 24hrs por dia é falso.

Quando a gente se perde de si mesmo, fico difícil de achar o caminho de volta. Fica uma reticência eterna.
Não entra nesse poço que você mesma criou.

Um beijo.

Releu a mesma quatro vezes, fez pequenas correções e dobrou o papel em quatro. Caminhou até o senhor que vendia balões - gordinho e barbudo, lembrava o bom velhinho papai Noel - e comprou um balão vermelho em forma de estrela. Amarrou a carta no barbante e deixou que o vento levasse a estrela até o céu, naquele fim de tarde.
Brotava no peito a esperança de olhar para o céu naquela noite e encontrar a parte de si que havia perdido.

14 comentários:

  1. Ual. Só isso, eu acho. Tão perfeito. Me fez lembrar de Clarice Lispector "Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso, nunca se sabe qual defeito sustenta o edificio inteiro." Yin e Yang. Me fez pensar em muita coisa, reavaliar muita coisa. Parabéns, Page. Eu amei.

    ResponderExcluir
  2. Quem sabe a estrela com a carta não brilha aos olhos do dragão voador.

    ResponderExcluir
  3. Um tanto seu, Lana. Inocente e maduro. Com o medo de crescer mas sempre aquele aspecto já crescido.

    ResponderExcluir
  4. Oh, Lana, gostei tanto :) Quantas vezes nos sentimos perdidos, a achar que o nosso eu fugiu de nós. O texto está perfeito, simplesmente.

    E gostei do desenho, também.

    ResponderExcluir
  5. Que lindo, acho que toda vez que leio qualquer texto seu fico encantada, realmente, nos perdemos no caminho, deixamos pedaços importantes da nossa essencia, carregamos outras partes que nem sabemos ao certo pra que precisamos, mas creio que a vida é assim mesmo, achei incrível, um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Criar dragões está se tornando uma rotina. Preciso de uma sacudida, um pouco de realidade. Faz mal sonhar demais.

    ResponderExcluir
  7. texto bonito, muito bonito mesmo.
    não adianta, sempre se perde algo de nós nesses caminhos, uma parte da inocência cai numa viela e a gente só percebe muito depois, quando grita pela falta das ilusões de antes.

    ResponderExcluir
  8. É um texto gostoso de ler e nos faz pensar um pouco...
    Gostaria que conhecesse meu blog http://artegrotesca.blogspot.com
    bjos

    ResponderExcluir
  9. Oi Lana, adorei aqui menina! Teu blog é tão doce!

    Beijos, sigo*
    Adorei a carta.

    ResponderExcluir
  10. Quem dera cartas deixadas ao vento pudessem trazer de volta o que costumava preencher o vazio que agora existe.

    ResponderExcluir
  11. Menina, o que é isso? Adoro textos em forma de carta, sei lá, legado do Caio F.
    Adorei de verdade, sutil e doce, o texto.
    E preciso dizer, senti um "quê" de Caio Fernando, hein. <3

    ResponderExcluir
  12. lindo querida .. amei teu blog.


    tou te sguindo me segue tbm .. bjooos


    www.voecomigoagora.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. sem palavras. muito bom o texto.

    ResponderExcluir
  14. Espero que tenha encontrado. De todo o coração.

    T.

    ResponderExcluir