sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Hello stranger

Sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Era uma noite quente, a cidade estava lotada. Ela sentou-se num banco vazio no ponto de ônibus, com os fones no ouvido, estava separada do mundo. Haviam acontecido diversas coisas naquele dia. Seu coração estava um tanto dolorido, mas ela estava determinada a ver as coisas de outro modo. Remoía coisas em sua mente, tentando entender o que estava acontecendo em sua vida.
Um garoto sentou ao seu lado. Ela olhou rapidamente pra ele, e voltou para o seu mundo. Não que ela não gostasse de observar as pessoas. Pelo contrário, era um de seus passatempos preferidos... Logo outro garoto chegou, era amigo do primeiro. Após alguns minutos ela encarou o garoto que chegou depois. Ele trajava uma mochila grande, usava bermuda e uma camiseta com uma estampa qualquer... Mas não foi a roupa dele que chamou a atenção dela. Ainda não sei bem o porquê, mas eles encararam-se; logo ficaram com vergonha. Desviaram os olhares. Ela tentava concentrar-se na espera do ônibus, e ele na conversa do colega. Ficaram nessa situação por volta de 10 minutos. O ônibus dela chegou, ela levantou-se, deu uma última olhada para o garoto e ele sorriu, ela retribuiu automaticamente e ele observou-a indo embora.

O coração da menina havia sido tomado por um entusiasmo imensurável... Diferente de tudo que ela havia sentido naquele dia. Ela havia ganho um sorriso! Um sorriso de um estranho, mas um sorriso sincero, não desses de plástico que vemos todos os dias.

Sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A chuva fraca cobria toda a cidade, as pessoas carregavam guarda-chuvas. Ventava pouco. O ponto de ônibus estava lotado. Na mesma hora do outro dia ela avistou-o. Trajava uma blusa de frio vermelha e branca e segurava um caderno. Passou ao lado dele, tentando não olhar, espiou-o pelo canto dos olhos e ele também estava olhando-a. Ela caminhou para longe, não havia como ficar ali próximo a ele, pois havia gente demais e não era possível enxergar o ônibus. O ônibus dele chegou, trocaram olhares novamente e ele sorriu. Ela sorriu mas ele não viu.
O entusiasmo voltou. Por ter ganho um sorriso novamente, e pela esperança que habitava seu peito novamente.

É preciso observar mais as pessoas, é preciso trazer os sonhos para a vida real, é preciso notar os pequenos encantos do cotidiano.

3 comentários:

  1. "É preciso observar mais as pessoas, é preciso trazer os sonhos para a vida real, é preciso notar os pequenos encantos do cotidiano." Anotado.

    ResponderExcluir
  2. É bom mesmo. Se fechar das coisas, nos deixa cego.

    ResponderExcluir
  3. A chuva fraca cobria toda a cidade, as pessoas carregavam guarda-chuvas. Ventava pouco (...)

    Esse começinho causou um sentimento tão simples e lindo em mim. Adorei.

    Boa Tarde.

    ResponderExcluir