terça-feira, 6 de julho de 2010

O astronauta e a bailarina

Cinco fileiras de cadeira, em cada fileira cinco cadeiras, em cada cadeira, uma criança na faixa dos 7 ou 8 anos, no quadro negro, a professora acabara de escrever uma pergunta para os alunos: O que você quer ser no futuro? Um por um ela foi dirigindo a pergunta, ouviu-se: médico, advogado, etc. Até que parou em uma menina, cujo cabelo era cheio de cachos, e ela trajava um vestido vermelho de bolinhas brancas, a atenção voltou-se á ela pela demora em sua resposta.
- Quero ser bailarina! - Ela enfim respondeu, entusiasmada e com um ar sonhador.
A professora sorriu, e continuou a perguntar. O garoto loiro, de cabelos bagunçados, com um ar angelical, respondeu rapidamente, porém, por sua resposta ser um tanto diferente das anteriores, todos o fitaram.
- Astronauta professora. E um dia irei para a lua. - Alguns alunos riram baixinho. A professora franziu o cenho, esperou breves minutos, e logo terminou o "questionário".

Na saída da escola, cada um foi para um canto, e Peter (o astronauta) e Susan (a bailarina) foram olhar os meninos jogarem futebol. Assim foi a infância dos dois, escola, olhar os meninos jogarem futebol e ir para casa.

11 anos depois.

Querido Peter,

Ouvi dizer que você está morando em outro país, não acredito, por isso continuarei á escrever para este endereço antigo. Essa saudade está me matando, tenho-lhe mandado enumeras cartas mas você não me responde nenhuma. Esqueceu de tudo que vivemos? Ou não tem tempo para mim?
Ah Peter... Eu jurei a mim mesma não lhe escrever nada, mas estou passando por cima do meu orgulho. Afinal, para o que serve o orgulho em certas ocasiões?
Eu tenho lido muito, estou com medo do mundo lá fora. Queria tanto você aqui. Sonho contigo todas as noites, e penso em te ligar, mas desisto; só sei comunicar-me razoavelmente pelo papel, você me conhece, você sabe. Por favor, não deixe esse muro que vem crescendo entre nós apagar o passado. . Lembre-se da nossa infância. O astronauta e a bailarina. Sei que as vezes sou fria, mas não quer dizer que eu não goste de ti.

Um beijo de sua Susan

Ps: Era sua antes deste muro de mágoas.

4 comentários:

  1. Fico terrivelmente brava quando não consigo me organizar e fazer um comentário decente. O fato é: como um texto tão curto pode me fazer lembrar de tantos acontecimentos? Bem, nostalgia define. Eu gostei, lembrei-me dos tempos em que eu queria ser bióloga na África.

    Ps: Muito obrigada pelo comentário no meu blog. :} Beijos, @nasaneeds

    ResponderExcluir
  2. que coisa mais linda.
    como já disseram, consegue nos deixar em nostalgia.
    muito lindo :)

    ResponderExcluir
  3. Muito lindo, histórias que envolvem a infância tem um "q" a mais de verdadeira, na minha humilde opinião é claro.

    ResponderExcluir
  4. Lindo texto.

    Eles podem não ter se transformado no astronauta e na bailarina para o mundo, mas serão eternamente o astronauta e a bailarina um do outro.

    Parabéns =)

    ResponderExcluir