terça-feira, 10 de maio de 2016

Saco plástico na garganta

Faz tempo que eu não posto no blog. Faz tempo que eu não posto na minha página. Mas meu caderninho está cheio de vômitos mentais, desabafos, rascunhos, estórias que vieram para mim e eu não consegui escrever. Tem um bichinho na minha cabeça que me impede de colocar as coisas em prática. Talvez ele esteja também na minha mão e na forma como eu me apresento para o mundo.
Eu já escrevi coisas boas.

Você também já deve ter escrito. Mas a baixa autoestima e falta de confiança tapa os nossos olhos – e até mesmo os ouvidos.

Acontece que a vida às vezes é para mim um sopro muito forte que tira meus pés do chão. Às vezes ela também é sufoco, falta de dinheiro e motivação. Mas na maior parte do tempo é medo.
Já faz um tempo que eu quero ser escritora. Eu ia dizer que sempre quis, mas “sempre” é muito vago, e eu não gosto de coisas demasiadamente abstratas. Quando eu era criança, desenhava personagens e escrevia a vida delas. Já me disseram que todas as crianças fazem isso, mas eu sentia algo diferente.
Passei toda a minha adolescência escrevendo em cadernos, livros velhos e até mesmo nesse blog, mas nunca, nunca consegui levar meus projetos adiante. O mais longe que fui foi a criação de um zine.

Eu não sei qual é o meu objetivo aqui hoje. A princípio é desabafar. Eu realmente queria terminar o que começo, ou até mesmo levar adiante esse blog. Mas é sempre tão difícil. E a minha segunda ideia, é dar uma explicação para o meu/minha leitora fantasma. Eu gosto de pensar que escrevo para alguém. Não gosto de me sentir sozinha.


Nenhum comentário:

Postar um comentário